"A Alma é um pássaro, está sempre a querer cantar, mas tudo a atordoa." Irene Lisboa (Solidão)

12
Mar 18

L11.jpg 

Oh! que extraordinário efeito a palidez do rapaz nela produzia... A sua palidez, a sua elegante farda azul-escura, a bicha doirada no braço e o mar, um mar transparente para além dele, romântico, enorme! Por esse tempo, lia ela Camões.
Mas o rapaz era muito reservado, o que a confundia. Estava certa de que o amava apaixonadamente. E sentia-se tão alvoroçada e tão cativa dele que só a ideia da morte a consolava. Morrer, morrer, quer ele soubesse, quer não soubesse que por ele morria. E voltou aos seus passeios na varanda e a apanhar luar em cheio, mesmo que fizesse muito frio. Andava pálida e magra. A dona Felismina inquietava-se: "Que é que a pequena terá, que é que a pequena andará a chocar?"

Ela veio a saber o nome do aspirante por umas costureiras do seu terceiro andar, e nunca o esqueceu.

Sete anos mais tarde, um oficial da administração, um azeiteiro, soltou casualmente em sua frente o nome daquele camarada, e ela ainda secretamente o acariciou.

 

Irene Lisboa (1994). Obras de Irene Lisboa - Volume IV - Voltar Atrás Para Quê?  Editorial Presença: Lisboa, pp. 124, 125.

publicado por Jorge da Cunha às 21:37

Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30
31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

pesquisar neste blog
 
links
Visitantes
web counter free
Protecção