"A Alma é um pássaro, está sempre a querer cantar, mas tudo a atordoa." Irene Lisboa (Solidão)

26
Fev 18

    Uma pata saiu do seu charco e andava a esfregar o bico pelas ervas, quando dá com um pedacinho de lata a luzir. Parece-lhe coisa de muita valia e põe-no na cabeça. Depois foi-se mostrar às outras patas.

    - Eu sou a rainha, eu sou a rainha! - grasna ela. Mas logo achou mesquinho o charco e as companheiras que tinha e resolveu ir correr mundo.

IL infância.jpg

    De coroazinha na cabeça foi andando, foi andando... até que encontrou um cão.

     - Pareço-te bem? - perguntou-lhe ela. - Olha que estás em presença de uma rainha!

     - Muito bem! - respondeu-lhe imediatamente o cão.

     - Achas, achas? E tu gostarias de ser meu mordomo?

     - Decerto. Nem maior honra eu podia esperar!

     O cão era coxo, o que o não impediu de seguir a pata. Demais a mais o andar desta era vagaroso e solene.       Puseram-se ambos a caminho.

     A pata, como rainha que se supunha, ou era, tratou logo de lançar tributos a todos os bicos que encontrava. Galos, perus, galinhas e patos, tudo vivia subordinado à senhora pata. E ela ociosa e regalada.

     Estava a real pata muito bem agachada a uma sombra, em certo dia, quando dá à passarada para se pôr a chalrar.

    E diz ela assim lá de baixo:

    - Caluda, que me incomodam!

     Mas os pássaros continuaram.

     - Caluda, que a rainha quer descansar!

     Os pássaros, que estavam numa hora de folia, sentiram-se agravados. E com eles todo o povo de penas se amotinou.

     - Há de se saber se a pata é ou não é rainha! - diziam de um lado.

     E do outro:

     - Que venha a pata! Que venha a pata!

     Sai do seu remanso a pata, com toda a majestade, e apresenta-se.

     Bradam-lhe os pássaros:

     - Canta, que se tu és rainha hás de saber cantar.

     A pata abre o bico e grasna.

     Foi uma risota geral.

    - Então voa, já que não sabes cantar; voar talvez saibas e se és nossa rainha voarás melhor que nós.

     A pata vai para voar mas só bate as asas.

     - Fora a rainha! Fora a rainha! - gritam-lhe os pássaros de mil modos.

     - Nada, deves saber nadar. - dizem-lhe então os cisnes - nada aqui à nossa frente, belo galeão...

    A pata, felicíssima, entra pela água dentro e começa a nadar, mas depressa fica para trás dos cisnes, que nunca mais olham para ela.

     Torna a pata para terra.

     - E o monco, tu não tens monco? - bradam-lhe os perus - E a crista e os esporões? - saltam de lá os galos.

     - Fora, fora, fora, que não é rainha! - bradam todos a um tempo - Não sabe cantar nem voar e até nada mal! E não possui monco nem crista nem esporões, fora, fora!

     A pata é expulsa do reino dos bicos à bicada. Desaparece com o seu cão sem deixar saudades. Nem rasto...

     Muito murchos, muito humildes, onde haviam os dois de ir parar?

     À porta de um moinho. A moleira chama-os para dentro e oferece-lhes de comer. A pata é para a engorda e o cão, apesar de coxo, para guarda. Já a pata estava como um texugo, nédia, pesada, vem-lhe o cão com um recadinho:

     - O patrão faz anos, tu sabes? E a patroa não fala noutra coisa.

     - Deixa-os lá! - respondia-lhe a pata - Quero que tenham muita saúde!

     E o cão:

     - Mas olha que eles já convidaram o compadre e a comadre...

     Andava o cão sempre fora e dentro com recadinhos e a pata enfastiava-se:

     - Deixa-os lá!

     Até que ele um dia lhe participou que a patroa andava a amolar as facas.

     - Isso agora já é outra coisa! - exclamou ela - Triste vida! Ala, que já aqui não estamos bem!

    Lá partiram os dois. Ela aos balanços e ele a coxear, esconderam-se nuns pedregais, onde curtiram muita fome. Catavam as pedras e lamuriavam.

   Torna a pata a achar um pedacinho de lata. E diz logo assim para o cão:

   - Mordomo, lembra-te que estás em presença de uma rainha! - E de latinha no toutiço entra a dar ao rabo e a grasnar.

   Passam uns saltimbancos. Veem-na com aqueles propósitos e tanta graça lhe acham que a levam e mais o cão.          

  Ensinam-na a marchar ao som de música, com uma verdadeira coroa na cabeça. E ao cão a receber as ofertas.

   Ambos se dão bem no ofício.

   O tempo que ambos assim viveram é que não reza a história.

 

Irene Lisboa

Queres ouvir? Eu Conto

 

publicado por Jorge da Cunha às 20:49

Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

pesquisar neste blog
 
links
Visitantes
web counter free
Protecção