"A Alma é um pássaro, está sempre a querer cantar, mas tudo a atordoa." Irene Lisboa (Solidão)

16
Fev 19

SARA.jpg

Hoje divulgamos uma obra acabadinha de sair sobre a poesia de Irene Lisboa. Uma obra que poderá ser muito útil aos alunos, professores e interessados pela poesia desta autora maior da literatura portuguesa. A segunda parte do título é um verso de Irene Lisboa. O prefácio da Prof.ª Dr.ª Paula Morão. O texto de Sara Barbosa, já uma amiga da nossa terra, Arruda dos Vinhos.

Ainda tenho uma hora minha?

Irene Lisboa,

Um dia e outro dia...

 

O Sujeito e o Tempo - ¿Ainda tenho uma hora minha?

Sinopse (das Edições Colibri) :

“O presente estudo ocupa-se de temáticas relevantes e das linhas de força que se destacam dos poemas incluídos nos livros editados por Irene Lisboa (1892-1958) na década de 30 do século XX: Um dia e outro dia… (1936) e Outono havias de vir (1937). Pautando-se a obra ireniana pela unidade e pelas recorrências temáticas e estilísticas, bem como pela valorização do inacabado e do trabalho de depuração da linguagem, considera-se importante o estabelecimento de alguns nexos entre os volumes em análise e outros textos da autora. Procura-se demonstrar a relação entre tempo e memória, juntando-lhe as reflexões sobre a escrita, e, nesta, a aproximação à forma diarística e aos códigos da autobiografia, o uso do fragmento e a referência às tarefas diárias, repetitivas e banais, assim como a representação de um sujeito em diálogo e confronto consigo mesmo e com os outros, com a amizade e com o amor (ou com o desamor), com a vida e com a morte. Estudam-se, nomeadamente, os processos retóricos que, na poesia de Irene Lisboa, representam um sujeito auto consciente e consciente da temporalidade que o sustenta. Considerando que se trata da representação de um discurso produzido por um sujeito-mulher, propõe-se que este factor deva ser tido em conta ao observar a voz poética desta escritora.

"A autora salienta neste estudo outros pontos da maior relevância. Interroga os limites do sujeito-mulher que assume a fala, e para tal percorre rapidamente o que ensaístas diversos e diversas vêm propondo para uma crítica séria desta questão, a qual se presta a confusões e a simplificações. Paralela a esta decorre a linha temática que se aproxima dos problemas do género literário – não só a poesia, mas modalidades desta como o verso longo ou a deriva da consciência e do monólogo interior, ou ainda a tradição do fragmento, tudo pontos muito relevantes para tratar as fronteiras do diarismo e da escrita do eu (do eu feminino) em Irene Lisboa. [Paula Morão, no prefácio.]

"Em Irene Lisboa, a escrita é frequentemente encarada como uma forma de autognose, através de uma auto-contemplação e de uma auto-análise conscientes: “Eu escrevo porque busco mas não encontro. Busco a ilusão, recolho-me a contemplação introvertida, não ao labor interessado, com regra. Contemplo-me como se olhasse água, água fugidia, que nada guarda”. Como consciente é a necessidade de registar o tempo que passa, a “água fugidia, que nada guarda” a não ser que se fixem as suas marcas, isto é, que as imagens que o sujeito observa sejam, de alguma forma, inscritas.”

 

Índice:

Prefácio, por Paula Morão 

  1. O curso dos rios refaz-se sempre, teimosamente – Memória a memória se representa a vida 

1.1. Não sei por onde hei-de começar 

1.2. Mundo que eu desconheço – Escolhe-se ou é-se escolhida?

1.3. Que é um corpo? – Aproximação 

1.4. Um pedacinho do rio cintila – Unidade e fragmentarismo na escrita de Irene Lisboa 

  1. Um dia e outro dia… Diário de uma mulher (1936) e Outono havias de vir latente triste (1937) – Em busca do seu tempo pessoal (ou como aceder a um mundo interior) 

2.1. Tal qual como quem passa as contas de um rosário… O registo diarístico. O sujeito e o tempo da escrita

2.2. Voltar atrás para me socorrer… A memória, o passado 
2.3. Só porque alguém me esperava… Tempos e afectos: amor, desamor, amizade 

2.4. ¿Mas como se há-de morrer, sentindo-se a vida? Pulsão de morte, pulsão de vida

  1. Toda a obra acabada devia ser enterrada…? 
  2. Bibliografia 
  3. Apêndice 

AUTORA:
SARA MARINA BARBOSA, natural de Santarém (1966), é licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Português – Francês e Ramo Educacional, pela Faculdade de Letras da Universidade Lisboa e mestre em Literatura Portuguesa pela mesma Universidade. Membro do Centro de Estudos Comparatistas, onde integra o projecto "Textualidades", desenvolve projectos na área da escrita de autoria feminina e da auto-representação. É professora do Ensino Básico e Secundário em Sintra.

 

publicado por Jorge da Cunha às 14:50

Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

pesquisar neste blog
 
links
Visitantes
web counter free
Protecção