Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tenho Tempo... Irene Lisboa

"A Alma é um pássaro, está sempre a querer cantar, mas tudo a atordoa." Irene Lisboa (Solidão)

Tenho Tempo... Irene Lisboa

"A Alma é um pássaro, está sempre a querer cantar, mas tudo a atordoa." Irene Lisboa (Solidão)

O Município de Gouveia está a desenvolver um projeto chamado “Abeirar” a partir da obra Crónicas da Serra, de Irene Lisboa. Pretende-se imortalizar os lugares que a autora retratou nesta sua obra publicada postumamente em 1960 através de passeios interpretativos. A RTP 2, no programa “Nada será como Dante”, apresentado por Pedro Lamares, dedicou um dos seus programas de terça-feira (22.06.2021) à divulgação deste projeto e consequentemente de Irene Lisboa. As crónicas (...)
Esta Antologia (2021) foi publicada pelas Edições iCreate e teve o apoio da Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos. Irene Lisboa nasceu neste concelho, mais precisamente no Casal da Murzinheira, freguesia de Arranhó, tendo depois vivido com a madrinha, irmã e pai na Quinta de Monfalim, Sobral de Monte Agraço, e em Lisboa, onde estudou, se tornou professora primária, educadora de infância, inspetora-orientadora, professora do ensino superior, escritora, poetisa, ativista, (...)
Irene lisboa nasceu em 1892, no Casal da Murzinheira, no concelho de Arruda dos Vinhos. "Estive dois, três minutos à janela e o vento, que me deu na cabeça – diziam-me os meus sentidos, que um vento áspero e fresco, próprio das manhãzinhas de sol – este vento... recuado, muito recuado, era o vento da Murzinheira."  Irene Lisboa, Solidão II As rosas  As rosas opulentas, caras, que me oferecem comgraça, com amabilidade, cheiram divinamente,cheiram que rescendem...Mas já (...)
Escolhemos, neste Dia Internacional da Mulher, Irene Lisboa como símbolo das mulheres que em Portugal não se resignaram a esperar que outros fizessem a diferença. "Todos acham que, sim senhor, uma mulher escrever é engraçado, é curioso, é mesmo admissível. Porque não hão de elas escrever em vez de fazer crochet? Dê-se essa pequena liberdade à mulher, uma liberdade bonita e inocente! O escrever feminino é sempre tão ligeiro... Uma mulher pode bem escrever para se distrair. E (...)
Irene Lisboa é uma das mais importantes escritoras da primeira metade do século XX. Escreveu poesia, crónicas, textos intimistas, contos e duas novelas. Como pedagogo, deixou-nos uma vasta obra ainda hoje muito atual. Nascimento: 25.12.1892, em Arruda dos Vinhos. Morte: 25.11.1958, em Lisboa. Um dia e outro dia... Este livro de poesia de 1936 abre uma nova fase da poesia em Portugal escrita no feminino. Logo a seguir, em 1937, aparece ‘Outono havias de vir’. Estão assinados por (...)