"A Alma é um pássaro, está sempre a querer cantar, mas tudo a atordoa." Irene Lisboa (Solidão)

30
Nov 17

Este que é o último dia do mês Irene Lisboa em Arruda dos Vinhos (2017), deixamos este belíssimo poema desta escritora maior do séc. XX.

 

S. Sebastião!

 

Impudico.

Para quê esse gesto de dança, esses braços em

arco levantados?

E a garganta roliça, os olhos lânguidos descaídos...

Tão gracioso, tão nu, de faixa vermelha franjada...

Mas a descoberto as perfeitas cochas, de gordo

efebo! marchetadas de pequenas pérolas sangui-

neas, em fio...

À frente desta multidão ruça, meu S. Sebastião

de altar, destas mulheres embiocadas, destes ho-

mens soturnos, que figura fazes?

Elas cobertas de chita desgraciosa, eles de surro-

beco...

Caras vermelhuscas ou terrosas, pálidas...

Meu S. Sebastião deslaiado, de que és a imagem?

Do desconcerto, não?

Tão suculento e formoso, tão descansado!

Anda, baixa esses braços!

Cobre esse corpo e pega numa enxada.

Não ofendas os pobres.

 

Irene Lisboa

Outono havias de vir...

IMG_3939.jpg

 

 

publicado por Jorge da Cunha às 15:43

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29


arquivos
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores

pesquisar neste blog
 
links
Visitantes
web counter free
Protecção